Arquivo do mês: abril 2013

Creio em Jesus Cristo (parte II)

A pessoa, a vida, a morte e a ressurreição de Jesus Cristo são centrais para a fé cristã. “Cristianismo é Cristo”. A pessoa e a obra de Jesus constituem a fonte, o centro e o fim, de tudo o que o cristianismo significa e anuncia ao mundo.

Por Jesus Cristo os cristãos aprendem a descobrir quem é, realmente, Deus, quem são os seres humanos, qual a sua verdadeira origem e destino, qual o significado e o valor do mundo e da história, qual o papel da Igreja como guia da humanidade em seu peregrinar pelos séculos afora.

Contudo, Cristo, não exaure o mistério de Deus, antes, aponta para ele. Cristocentrismo e teocentrismo não se opõem. O primeiro implica e exige o segundo. Jesus Cristo não é um meio-termo entre Deus e os seres humanos. Ele não é um “intermediário” que, não sendo nem um nem outro dos extremos que se quer unir, tenta, em vão, cobrir o abismo que separa o infinito do finito. Ele é o “mediador” no qual as duas extremidades estão juntas, de forma irrevogável, porque é, pessoalmente, uma e outra.

Como Homem-Deus, Jesus Cristo, o Filho encarnado, é o “caminho” para o Pai, que está além do mediador. Exprime-o, claramente, o Evangelho de João, quando mostra Jesus dizendo: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim” (14,6).

A cristologia encerra um paradoxo: de um lado, encontramos Deus no homem Jesus, do outro, o Pai permanece além do próprio Jesus. (Jo 1,18; 14,6;9;28; Mc10,18). A revelação de Deus no homem Jesus não esgotou o mistério divino, nem poderia fazê-lo, como também não o esgotou a consciência humana que Jesus teve dele, nem poderia fazê-lo. A consciência de Jesus é essencialmente filial.

A cristologia leva-nos à teologia, ao Deus que se revela, de modo o mais decisivo, em Jesus Cristo, e ao mesmo tempo permanece envolvido no mistério. Nos últimos tempos, o desenvolvimento dos estudos cristológicos e teológicos confirma esse processo: a reflexão teológica vai ao Cristo de Deus ao Deus de Jesus, da cristo-logia à teo-logia.

Jesus Cristo, na qualidade de mediador, ocupa o centro do plano divino para a humanidade. Ele é o canal por onde Deus vem até o ser humano e este vai até Deus. Em última análise, no qual Deus se revela, pessoalmente, ao ser humano e este consegue vislumbrar quem é Deus. Daí resulta que é também em Jesus Cristo que o ser humano chega a se conhecer, plena e verdadeiramente.

Expressão disso se encontra na Constituição Pastoral Gaudium et spes, do Concílio Vaticano II: “Cristo manifesta plenamente o homem ao próprio homem e lhe confere a sua altíssima vocação” (GS 22).

“O homem é mais que o homem”; ele é convidado a transcender a si mesmo, embora sozinho não possa atingir essa autotranscendência, mas deva recebê-la como dom divino. Em Jesus Cristo, o ser humano transcende a si mesmo até Deus, graças à descida de Deus até a condição humana.

Partícipe da filiação divina em Jesus Cristo, o ser humano encontra nele a plena realização de sua abertura para Deus. A divinização do ser humano no Deus-homem leva a humanização ao ápice. Nenhuma antropologia pode se declarar cristã, se não buscar em Jesus o sentido último do ser humano. Sem cristologia não existe antropologia cristã.

O texto é síntese de: DUPUIS, Jacques. Introdução à cristologia. 3.ed. São Paulo: Loyola, 2007.p.7-12

 Carlos Cunha

Deixe um comentário

Arquivado em Reflexão teológica

Introdução à Bíblia

Atualizado em 24/4/2013

Deixe um comentário

Arquivado em Aulas

Ética educacional

Curso no SETEB

Deixe um comentário

Arquivado em Aulas

Creio em Jesus Cristo (parte I)

As narrativas dos evangelhos de Marcos (8,29) e Mateus (16,15) se caracterizam por mostrar Jesus Cristo a partir da pergunta basilar: “E vós, quem dizeis que eu sou?”. Os dois discípulos contam qual era a ideia que o povo tinha de Jesus: “João Batista; outros, Elias; outros ainda, um dos profetas” (Mc 8,28). Mas Pedro respondeu: “Tu és o Cristo” (Mc 8,29) ou: “Tu és o Cristo, o filho do Deus vivo” (Mt 16,16).

A resposta de Pedro pode ser assumida, simbolicamente, como a primeira afirmação cristológica. Mas, na realidade, era como que uma antecipação, uma preparação da fé cristológica, que desabrocharia na Páscoa. A confissão petrina também perpassa o conteúdo da primeira pregação querigmática da Igreja apostólica. O próprio Pedro, no dia de Pentecostes, deixou transparecer o ponto alto da sua mensagem, a primeira pregação cristã: “Saiba, portanto, com certeza, toda a casa de Israel: Deus o constituiu Senhor e Cristo, este Jesus a quem vós crucificastes” (At 2,36).

Nascia assim o núcleo da fé cristológica primitiva. Os títulos “Cristo”, “Senhor” e “Filho de Deus” ocuparam o lugar central na confissão de fé das primeiras comunidades cristãs. Atribuía-se ao homem Jesus (nome próprio Yeshua), um título particular (masiah, o ungido, o cristo), emprestado à terminologia teológica do Primeiro Testamento. Logo, a confissão de fé “Jesus é o Cristo” evoluiria para “Jesus, o Cristo” e, posteriormente, para o nome composto “Jesus Cristo”.

Jesus foi o Cristo, o Ungido, o Messias, o Filho de Deus para os seus primeiros discípulos. E para nós, quem é Jesus Cristo? Quem é Jesus Cristo para o cristão do século XXI? Quem é Jesus Cristo para o ser humano hodierno inserido em um mundo “líquido”? Eu explico: Para o sociólogo Zygmunt Bauman, “mundo líquido” é um mundo que:

“jamais se imobiliza nem conserva sua forma por muito tempo. Tudo ou quase tudo em nosso mundo está sempre em mudança […] esse mundo, nosso mundo liquido moderno, sempre nos surpreende; o que hoje parece correto e apropriado amanhã pode muito bem se tornar fútil, fantasioso ou lamentavelmente equivocado”[1].

Em um mundo assim, com tantas dúvidas e incertezas, vazio de verdades fundamentais e absolutas, quem é Jesus Cristo? E mais: Qual é a relevância da vida, morte e ressurreição de Jesus Cristo para hoje? O que Jesus Cristo tem a dizer atualmente? Por que falar sobre ele? Como falar dele para as sociedades atuais?

Carlos Cunha

[1] BAUMAN, Zygmunt. 44 cartas do mundo líquido moderno. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.p.7,8.

Deixe um comentário

Arquivado em Reflexão teológica

Como ler a Bíblia?

Para os cristãos, a leitura da Bíblia é uma atividade fundamental. Será que sabemos “ler” as Sagradas Escrituras? Cada vez que a tomamos nas mãos, lembramo-nos de que a Bíblia é uma obra literária?

A leitura bíblica efetiva é norteada pela retidão (coração certo) e pela exatidão (mente certa). Ler, portanto, é decifrar, decodificar. Uma leitura competente pergunta pelo: 1. Autor – quem elaborou o texto? 2. Destinatário originário – a quem foi, primeiramente, destinado o texto? 3. Escopo do autor – com qual intenção escreveu? 4. Tema – qual o conteúdo? 5. Código – como? Qual a forma? Com quais palavras? 6. Tempo – quando? 7. Lugar – Onde? 8. Destinatário atual – quem é o atual leitor? 9. Aproximação – como decifrar o código? 10. Escopo do leitor – com qual intenção lê?

Qualquer trabalho exegético (compreender o texto em si mesmo) e hermenêutico (compreender o texto além de si mesmo) que não leva em consideração perguntas pela composição e contextualização do texto é incompleto. Diacronia e sincronia são movimentos complementares na busca pela apreensão da Bíblia. Portanto, caveat lector – acautele-se o leitor. Leia a Bíblia corretamente. Para isso, é necessário reunir todas as ajudas disponíveis para adquirir habilidades na leitura das Escrituras, habilidades que “integrem mentes afiadas e corações devotos” (Eugene Peterson).

Assim, gostaria de sugerir um caminho para a leitura competente da Bíblia.

1º. Momento – Aproximação ao texto

1.      Leitura atenta do texto
2.      Leitura comparativa entre versões – utilize 2 versões oriundas da correspondência formal (ex. Bíblia de Jerusalém e Bíblia de estudo Almeida) e duas versões oriundas da equivalência dinâmica (ex. Bíblia Pastoral e Nova Versão Internacional)

Anotações gerais (anote as primeiras impressões)

3.      Meditação

Perguntas de ordem pessoal – Qual é a primeira impressão que o texto provoca? O que ele comunica para mim nesta primeira leitura?
Perguntas de ordem eclesial – Quais são as implicações do texto para a minha espiritualidade pessoal e vida eclesio-social?

Anotações gerais

2º. Momento – Análise do contexto

1.      Qual é o gênero literário e as suas características?
2.      Contexto histórico geral

Quem é o autor?
Qual o objetivo da obra?
Quais são as características teológicas?
Quando (datação) e onde (lugar) a obra foi composta?
Faça um esboço da obra

3.      Contexto específico

Delimitação do texto
Perícopes anterior e posterior
Texto dentro do bloco narrativo
Relação do texto dentro do Evangelho
Relação do Evangelho dentro do Novo Testamento
Relação do Novo Testamento dentro da Bíblia

Anotações: Como a delimitação do texto ajuda na compreensão da perícope?

3º. Momento – Análise de conteúdo

1.      Significado original dos principais termos da perícope (uso do léxico e dicionário teológico)
2.      Que tipo de alusões históricas e teológicas existem por trás das palavras utilizadas pelo autor?
3.      Quadro sinótico (Mt / Mc / Lc)

Anotações: Quais são as diferenças entre os autores sinóticos? Por quê?

4.      Quadro comparativo entre versões (BJ/BA, BP/NVI)

Anotações: Destaque as diferenças

4º. Momento – Atualização do texto

  1. O que o texto tem a dizer? (dimensões: existencial, pastoral e social)

Carlos Cunha

2 Comentários

Arquivado em Estudos bíblicos

Introdução à Teologia

Introdução à Teologia

Deixe um comentário

abril 2, 2013 · 5:15 pm